Justiça analisa pedido de soltura de motorista que atropelou e matou mulher em Arapongas

Os advogados de Rodrigo Santos Batistoni, de 19 anos, apresentaram um pedido de liberdade para o Juiz de Direito da 1ª Vara Criminal da Comarca de Arapongas. Segundo o pedido de soltura, Rodrigo não é pessoa perigosa que não possa conviver em sociedade.

No documento apresentado consta que embora o fato tenha repercutido na imprensa local trata-se de acidente de trânsito(fatalidade) e não de homicídio doloso(intencional), ou seja, o acusado não é uma pessoa perigosa que não possa conviver em sociedade.

O pedido de soltura ainda aponta que Rodrigo nunca teve qualquer outro problema e em momento algum agiu intencionalmente com intuito de matar alguém na direção de seu veículo.

Segundo os advogados de Rodrigo, é totalmente prematuro o decreto de prisão preventiva, quando na verdade se deveria aguardar a coleta de provas conclusivas. Por conta disso a prisão preventiva deve ser revogada.

No pedido de soltura consta que Rodrigo não viu a vítima caminhando
pela via, culminando no seu atropelamento ao contrário do que está sendo
apontado de que o atropelamento teria sido proposital.

O Caso

Vanessa Prado, de 33 anos, foi atropelada na madrugada de sábado (02) quando saia de um trabalho na igreja São Vicente Palotti. Rodrigo estava conduzindo uma VW/Saveiro Surf de cor branca, placas AKN-2026, pela contra mão na Rua Francelho, atrás do Colégio Prisma, quando atingiu a vítima e fugiu sem prestar socorro. Testemunhas conseguiram anotar a placa do carro.

Vanessa teve a morte cerebral confirmada por volta das 15h de quarta-feira (06) pela equipe médica do Hospital Norte do Paraná (Honpar) em Arapongas, onde ela estava internada. Vanessa era moradora da cidade de Cambé e deixa três filhos, uma menina de 16, um menino de 12 e outro de seis.

 

 

2 Comentários

  1. para mim é um absurdo a soltura desde criminoso atropelou e fugiu dolosamente

  2. Isso sim é um tapa na cara da sociedade um bandido destes solto só pode estarem de brincadeira ,a diferença deste sugeito e os que fizeram aquela atrocidades em Suzano para mim nenhuma pois o que fez sem socorrer a vítima é imperdoável ,tem que aguardar na cadeia até o julgamento , dar uma arma e um carro para um inrresponsavel da na mesma que isso sirvam de exemplo para muitos pais ,pai bom é aquele que aprende a dizer não ao filho e não o que diz amém para tudo.

Deixe uma resposta