Patrulha Maria da Penha registra queda de mais de 42% nos descumprimentos de medidas protetivas

Nesta quinta-feira (09), a Patrulha Maria da Penha, vinculada à Secretaria Municipal de Segurança Pública e Trânsito (Sestran), divulgou o relatório dos atendimentos efetuados pelo setor entre janeiro e dezembro de 2019, contabilizando ao todo 379 atendimentos, 190 novas visitas, 110 visitas de retorno, 25 solicitações de revogação de medida protetiva, 62 encaminhamentos para serviços (CREAS, saúde, Delegacia e Fórum), 40 orientações e assistência. No que se diz respeito aos descumprimentos de medida protetiva, foram registrados 44, sendo 21 com prisões em flagrante. Em 2018, foram registrados 76 descumprimentos e 15 prisões em flagrante. Com isso, os descumprimentos de medida protetiva tiveram uma redução superior a 42% nos últimos dois anos.

“Nota-se considerável queda nos números de descumprimento, fazendo um comparativo em relação às medidas protetivas deferidas pelo Judiciário e fiscalizadas pela Patrulha Maria da Penha, entre 2018 e 2019. Tudo isso devido ao atendimento e respaldo eficaz do serviço nos casos de violência contra as mulheres no município”, diz a coordenadora da Patrulha Maria da Penha, GM Denice Amorim.

Ela cita os avanços recentes para a segurança às vítimas como a instalação da Delegacia da Mulher, Botão do Pânico, palestras e campanhas de conscientização, entre elas o ato internacional “16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres” e o Projeto SIGA – que visa à reabilitação para os autores de violência doméstica e familiar.

O secretário de Segurança Pública, Paulo Argati, reitera que em 2020 serão mantidas as ações de combate à violência contra as mulheres, com fiscalizações, medidas preventivas, entre outros. “Sabemos que infelizmente a violência contra as mulheres assola não apenas o Brasil, como outros países. Diante disso, trabalhamos incansavelmente para mudar essa realidade. Em Arapongas, a Patrulha Maria da Penha tem desenvolvido um grande trabalho, o que proporciona às mulheres, que antes sofriam caladas, a oportunidade de denunciar seus agressores. As vítimas acreditam no trabalho desenvolvido pelo setor. Neste ano, o trabalho de fiscalização, as campanhas educativas e preventivas, divulgação da Lei Maria da Penha, entre outros, serão ainda mais abrangentes. Esse deve ser um trabalho constante para uma redução cada vez maior desta violência covarde que é a violência doméstica”, reforça Argati.

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, DENUNCIE!

Nas situações em que existam medidas protetivas, as vítimas devem ligar: 153 ou 0800-645-9060 (GUARDA MUNICIPAL). Nos casos em que não há medida protetiva: 190 (POLÍCIA MILITAR). Demais telefones: Polícia Civil (3252-0100), Central de Atendimento à Mulher (Governo Federal – 180).

Fonte: Prefeitura Municipal de Arapongas